MISTÉRIOSBLOG  SOFÄ DA SALA | BLOG BRAZIL WEIRD NEWS

 


       

 

 


 

 

mistérios, mitologia

17/09/2012

OS SETE MUNDOS & A PROFECIA DOS HOPI
trad. & pesquisa: L.Cabus

 

      

 

Hopis: dança da serpente, UPI/THE BETTMANN ARCHIVE.  Os Hopi vivem no Arizona (USA). Seu nome deriva de Hopituh Shi-nu-mu e significa Povo Cheio de Paz (The Peacefull People).

 

 

Os índios Hopi são habitantes antigos da planície central dos Estados Unidos. Seus costumes e tradições remontam a recuadas épocas pré-históricas porém, em sua atual situação, os Hopi, que também chamam seu longínquo território Kasskara, é povo vítima de guerras e cataclismos que chegaram a quase exterminar sua raça.

 

De acordo com a tradição Hopi, a história da humanidade esta dividida em períodos que eles denominam Mundos, cada qual separado um do outro por terríveis catástrofes naturais: o primeiro mundo, sucumbiu pelo fogo, o segundo pelo gelo e o terceiro pela água.

 

Nosso mundo atual, que é o quarto segundo suas profecias, está chegando ao fim, e dará um passo para um novo mundo em um futuro não muito longínquo.

 

 

No total, a humanidade desaparecerá no decorrer de sete períodos. Os índios Hopi afirmam, que seus antepassados foram visitados por seres procedentes das estrelas que se deslocaram em escudos voadores ou pássaros trovejantes, e dominaram a arte de cortar e transportar grandes blocos de pedra, assim como construir túneis e instalações subterrâneas.

 

Estes salvadores eram os Katchinas (ou kachinas), que significa, sábios, ilustres e respeitados. Os Katchina salvaram o povo Hopi de um cataclismo, e ensinaram-lhes a observar as estrelas, conhecer e cortar raízes, aplicar leis e uma larga lista de atividades relacionadas aos princípios de uma civilização. Os Hopi cresceram e deles surgiram novos clãs e nações se expandiram por toda a América.

 

Os Katchinas ajudaram os eleitos a descobrirem novas terras. Esse fato marcou o fim do terceiro do mundo e o começo do quarto. A história da povoação, de acordo com a recordação tradicional dos Hopi, relata chegada a uma nova terra por caminhos diferentes: os selecionados para a "travessia" foram recolhidos, inspecionados e preparados; foram levados dali pelos ares, a bordo dos escudos dos Katchinas.

 

 

O grande resto da população, teve que se salvar a bordo de barcas (o que indica um dilúvio, como em tantas outras tradições de povos antigos).

 

É preciso lembrar que, desde o primeiro mundo, os humanos estavam tendo contato com os Katchinas.

 

Eram seres visíveis, de aparência humana, que nunca foram tomados por Deuses, mas somente como seres de conhecimento e potencial superiores aos dos seres humanos.

 

 

Eram capazes de se deslocar pelo ar a velocidades gigantescas, e aterrisar em qualquer lugar. Dado que se tratava de seres corpóreos, precisavam de artefatos voadores que recebiam diversos nomes.

 

Hoje em dia os Katchinas, já não existem mais na Terra. Um dia os Katchinas foram embora, regressaram para as estrelas e os povos esqueceram a essência de seus ensinamentos. Os Hopi,como fiéis seguidores das tradições de seus antecessores, continuam esperando o regresso de seus mestres, quando terminar o mundo atual.

 

 

ESQ.: Um snake dancer, dançarino da dançada serpente - FOTO de 1900 In ANCESTRAL.COM. Kachina, os bonecos memorativos dos Hopi ...para acostumar as crianças com o retorno dos mestres...

 

 

A espera do ansiado regresso, os Hopi vêm reproduzindo rigorosamente com as mesmas feições, de geração em geração, máscaras e bonecos iguais ao seus mestres chamados Katchinas.

 

Estes bonecos portam estranhas indumentárias e casacos, assim como representações de animais com uma forte conotação simbólica, para ressaltar o caráter individual dos verdadeiros Katchinas que eles representam.

 

Também estes bonecos são a forma das crianças - as novas gerações, aprenderem, para que não se assustem - e reconheçam os Katchinas quando regressarem. Segundo os Hopi, os primeiros sinais proféticos para que isto aconteça já começaram a se manifestar.

 

 

 

AS PROFECIAS

 

 

 

O fim das cerimônias [da religiosidade tradicional] Hopi virá quando um KACHINA tirar sua máscara durante a dança na praça, depois que a criança tenha sido Iniciada. Então, não haverá mais cerimônias nem fé. Oribi virá, para fazer renascer seu culto [sua fé] dando início a um novo ciclo navidados Hopi.

 

► A TERCEIRA GUERRA MUNDIAL será DEFLAGRADA por aqueles  primeiros Iluminados (pela luz da sabedoria ou inteligência), os que revelarão a luz, em outro MUNDO, nos países antigos - Índia, China, Nações Islâmicas, Africanas.

 

► Os Estados Unidos da América serão destruídos, a terra e as pessoas, por armas atômicas e radioatividade. Somente os Hopi e sua Terra Mãe serão preservados, como em um Oásis no qual os sobreviventes se refugiarão. Os abrigos nucleares são uma falácia (não funcionarão).

 

► Somente os materialistas se preocuparão com abrigos nucleares, bunkers. Os que estiverem em paz, em seus corações já estão no mais seguro abrigo da vida. Não existe abrigo contra o Mal. Aqueles que fazem a divisão do mundo estão prontos para recomeçar tudo de novo em outro MUNDO [outra Era]

 

► O TEMPO ESTÁ PRÓXIMO. VAI ACONTECER QUANDO a Sasquach-ohuh - Blue Star ou Estrela Azul, [chamada] Kachina DANÇA na praça e retira sua máscara. ELE representa a Estrela Azul, ainda longe e invisível [muitos crêem que essa estrela é um cometa, outros, que é um corpo celeste que ciclicamente interage com a terra].

 

► A HORA será profetizada quando a canção for entoada na cerimônia de Wuwuchim. Ela foi cantada em 1914, antes da 1ª Guerra; e novamente, em 1940, antes da 2ª Guerra, prenunciando a desunião, a corrupção e o ódio  ̶  que vai contaminar até os rituais dos Hopi, que seguirão a onda do Mal que se espalhará pelo mundo. A canção foi cantada em 1961 [o quê podemos esperar?].

 

► O quinto MUNDO já começou e está sendo construído pelas pessoas mais humildes, as pequenas nações, as tribos, as minorias raciais.

 

      

 

The Prophecies of the Hopi People IN BIBLIOTECA PLEYADES

 

 

 


 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 




      


edições: Sofä da Sala
agosto, 2012
ligiacabus@uol.com.br