OCULTISMOBLOG  SOFÄ DA SALA | BLOG BRAZIL WEIRD NEWS  | SOFÄ DA SALA NO FACEBOOK  |  privacidade

 

 


       

 

 

SABEDORIA MILENAR
 O diabo quando não vem manda o secretário.

Eu não vou nessa canoa que eu não sou otário

 por Jackson do Pandeiro. Meditemos...
 

 



 

 

doutrina secreta, teosofia, mundos perdidos, ocultismo

A Cronologia dos Brâmanes
por Lygia Cabus, 2009
 

       

 

 

Em que ano estamos? 2009, 2011, 2012, 2015? ... da Era Cristã; mas nem tanto; ou nem tão pouco. Os calendários são relativos, são instituídos em função de marcos considerados mais ou menos históricos no contexto de culturas diferentes.

 

O presente ano é 2009 da Era Cristã; 2009 no calendário Gregoriano,  que tem este nome porque foi promulgado pelo papa Gregório XIII em 24 de fevereiro de 1582 ─ em substituição ao seu predecessor, o calendário Juliano. O calendário Gregoriano, portanto, foi introduzido a menos de 500 anos [em 2009 d.C.].

 

Segundo o antigo calendário Juliano o ano corrente seria 2054. Entre os muçulmanos, o ano que vale é 1387 [em 2009, depois da Hégira maometana ─ fuga do líder precursor do Islã, Maomé ─ Muhammad ou Mohammed, saindo de Meca rumo a Medina, em 622 d.C.]

 

A palavra calendário e seu conceito vem do latim, kalendae, designação latina para o primeiro dia de cada mês [New Shorter Oxford English Dictionary]. Kalenda era era o dia de pagar as contas e o calendarium, por extensão associativa de idéias também é um livro de registro [dos valores e devedores].

 

O calendário Gregoriano é o que prevalece no mundo Ocidental e, até certo ponto, é padrão mundial de contagem do tempo. Porém, para efeitos outros, relacionados às tradições culturais de diferentes nações, antigos calendários continuam sendo respeitados e acompanhados.

 

Entre os judeus, que não consideram o nascimento de Cristo como marco em sua história, 2009 é, na verdade, ano 6722 da Era Mundana ou seja, desde a criação do mundo conforme o Livro do Gênesis ─ do Antigo Testamento, adotado pelos cristãos católicos e ortodoxos que, de fato, corresponde à Bíblia hebraica  ─ Tanak com algumas variações e acréscimos. [Texto constituído de três partes: Torah ou Cinco Livros de Moisés, Nevi'im ou Profetas e Ketuvim, os Escritos].

 

Embora muito tradicional, o calendário judeu não é o mais antigo. Segundo a contagem do tempo nos padrões do calendário egípcio, 2009 corresponde ao ano 7511. Povos mais antigos ainda também contam mais milênios de registros históricos: mesopotâmicos, chineses, japoneses, hindus, tibetanos.

 

Porém, de acordo com os ocultistas teósofos, a contagem de tempo mais recuada registrada em escrituras antigas encontra-se na Índia, mais precisamente, nas bibliotecas dos mosteiros mais remotos da região Himalaia, fronteira com o Tibete.

 

CRONOLOGIA DOS BRÂMANES

 

Afirma a Tradição da Doutrina Secreta que a cronologia dos Brâmanes remonta à criação deste sistema solar, acompanha a formação dos planetas, da Terra, das formas materiais orgânicas e inorgânicas, físicas e metafísicas.

 

O calendário dos Brâmanes registra o surgimento dos primeiros protótipos de indivíduos egóicos de natureza humana; os ciclos das Eras, do nascer, crescer, decair e morrer de diferentes Humanidades e formas de civilização. A cronologia dos Brâmanes oferece registros de bilhões de anos! Eis os marcos principais dessa fantástica jornada geo-cósmica:

 

Idade deste Sistema Planetário-Solar [em 2009]

1 bilhão 995 milhões 884 mil 809 anos

Idade do Surgimento da Primeira Raça Humana [etérea]

1 bilhão 644 milhões 501 mil 109 anos

Idade da Humanidade Atual ─ Quinta Raça Humana

18 milhões 618 mil 728 anos

Duração do Kali-Yuga, Era atual

432 mil anos

Tempo de KaliYuga já transcorrido [em 2009]

5 mil 111 anos

 

Idades deste Universo

 

 

O Universo não tem calendário; porque a marcação do tempo depende de uma referência, um marco zero que defina um começo. Porém, até onde a inteligência humana pode conceber, o Universo é ou deve ser Eterno. E eternidade não tem começo nem fim.

 

O que a cronologia dos Brâmanes mede ou pretende medir e registrar são os ciclos de atividade e repouso do Universo, estes, sim, segundo a Doutrina Secreta, são períodos que podem ser medidos em anos terrenos. Os números desse calendário brâmane, apesar de serem astronômicos, são surpreendentemente bem definidos.

 

Dia de Brahma, Kalpa ou Manvatara

4 bilhões 320 milhões de anos

Noite de Brahma ou Pralaya

4 bilhões 320 milhões de anos

Um Dia e Uma Noite de Brahma

8 bilhões 640 milhões de anos

Ano Atual desde o começo deste Manvatara

4 bilhões 319 milhões 573 mil 111

 

 

Os ciclos da Vida do Universo são semelhantes ao relógio biológico que regula a vida dos seres humanos. O Universo é Brahma, o Todo, o Todas Coisas em Um. Deus. Deus repousa e desperta para seus dias e noites. Em um dos períodos, Cria a Diversidade, os Cosmos em múltiplas manifestações de Si mesmo. Em outro período, Descria ─ recolhe [e recolhe-se em] todas as coisas e volta a ser Um em Si Mesmo.

 

A Doutrina Secreta do Brâmanes chama o período de criação de Manvatara, o Dia de Brahma ou Kalpa. O Repouso de Deus é Pralaya, a Noite de Brahma. É como se Deus dormisse e acordasse; o que este pesquisador ainda não resolveu é se Deus cria acordado ou dormindo. Se o Universo é a atividade de Deus ou se o Universo é um Sonho/Pesadelo de Deus. Meditemos...

 

Como Deus possui a Eternidade para Dormir e Acordar, seus Dias e Noites, que têm durações iguais, são infinitamente longos em relação à escala de tempo humana. O ano corrente [2009 d.C.] de acordo com a cronologia do Brâmanes poderia ser:

 

 

5111 ─ do presente Kali Yuga ou da Era de Kali ou Era do Ferro ou ano

ANO 4 bilhões 319 milhões 573 mil 111 ─ do presente Manvatara ou seja, desde a última vez que Deus repousou ou cessou mais um período de sua atividade criativa.

O próximo Pralaya vai demorar 426 mil 889 anos para acontecer. Na mesma ocasião será o fim da presente Era cósmica terrena, Kali Yuga.

 

 

Brâmane

 

Palavra sânscrita. Sacerdote, educador, estudioso ─ brahmane, brahmin, em inglês. Indivíduo das casta sacerdotal, a primeira, a mais elevada das quatro principais castas da sociedade indiana [BLAVATSKY, 1995]

Também são chamados Vipra [sábios], Dvija, duas vezes nascidos ou Bhūsura deus sobre a terra, deuses terrenos.

 

 

 

Manvatara

 

Sânscrito. Período de manifestação do Universo,  oposto ao Pralaya [repouso ou dissolução]. O termo é aplicado a vários ciclos, especialmente a um dia de Brahma, que compreende 432 bilhões de anos solares. Cada Manvatara divide-se em 14 períodos, cada um sob a regência de um patrono ou guardião chamado Manu. O presente período do atual Manvatara é o sétimo e o guardião deste período é o Manu Vaivasvata [BLAVASTKY, 1995].

 

 

 

Pralaya

 

Sânscrito. Noite de Brahma. Período de obscuridade ou repouso seja planetário, cósmico ou universal]. É o período de dissolução, sono ou repouso relativo ou total do Universo, que sobrevém ao fim de um Dia, de uma Idade ou de uma vida de Brahma. ...

 

Durante a longa Noite de descanso ou sono do Universo, Pralaya Universal, quando todas as Existências estão dissolvidas, a Mente universal permanece como uma possibilidade de ação mental ou como aquele Pensamento Absoluto Abstrato... Então, toda a ideação cósmica cessa, porque não existe nada nem ninguém para perceber seus efeitos.

 

Brahma, a própria divindade, encontra-se em estado latente... [A variedade dos seres, das substâncias] dissolve-se no estado primordial de objetividade potencial abstrata. [BLAVASTKY, 1995]

 

 

       

 

Fontes:

 

BLAVATSKY, Helena Petrovna. Antropogênese. In A Doutrina Secreta vol. III. [Trad. Raymundo Mendes Sobral]. São Paulo: Pensamento, 2001.

...............................................  Glossário Teosófico. [Trad. Silvia Branco Sarzana]. São Paulo: Ground, 1995.

 

 

ANTROPOGÊNESE NA

 DOUTRINA SECRETA

 

[+] LEMÚRIA

O CONTINENTE

DA QUARTA RAÇA

 

[+] ATLANTES

A QUARTA RAÇA

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 



      

 

edições: Sofä da Sala
julho 2009 | janeiro 2016

pesquisa - seleção de textos
adaptação e comentários: Lygia Cabus

ligiacabus@gmail.com

 SOFÄ DA SALA NO FACEBOOK